Profissionais de Beleza

Cabeleireiro de Pelé conta história de amizade com o rei do futebol

Jogador foi fiel a seu barbeiro Didi até adoecer

Didi, cabeleireiro de Pelé
Por Renata Tarrio em 4 de janeiro de 2023

No último dia 29, o rei do futebol Edson Arantes do Nascimento morreu, deixando um legado de grandes proporções ao povo brasileiro. Para além do esporte, Pelé representou a persistência de um homem negro e sem recursos que construiu uma carreira brilhante e projetou o Brasil para todo o globo.

Muitos foram os marcos da vida do jogador, mas aqui recordamos um aspecto especial: sua fidelidade ao cabeleireiro João Araujo, conhecido como Didi. Acompanhe a história de amizade entre o maior jogador da história e seu barbeiro.

Topete emblemático

Não é de hoje que os jogadores de futebol lançam moda no estilo de cabelo. O famoso corte de Ronaldo e o platinado de Neymar podem até fazer sucesso entre a garotada, mas a atenção às madeixas dos atletas teve um precursor: Pelé.

Desde 1957, o rei é reconhecido pelo seu topete emblemático, criado por seu barbeiro Didi, que trabalhou por mais de 60 anos para o rei. Ainda adolescente, assim que desembarcou do ônibus em Santos/SP, o primeiro lugar que Pelé visitou foi o salão do profissional. Desde lá, eles nunca mais se separaram.

“Ele chegou e falou ‘vê se você capricha no topete pra mim’. Fiz um topete trabalhado, não foi aquele topete puxado, [foi um] trabalhado que valeu a pena”, relembra o cabeleireiro de Pelé, com exclusividade para o G1.

O cabeleireiro de Pelé também é campeão

Pelé é reverenciado por sua trajetória de sucesso. Ele foi o único jogador na história a conquistar três Mundiais e, até hoje, é o maior artilheiro da seleção brasileira. Muita gente ainda relembra o momento marcante e histórico no qual o jogador alcançou o milésimo gol de sua carreira em 1969, na vitória do Santos por 2 a 1 contra o Vasco, no Maracanã.

Acompanhando seu cliente e amigo, o cabeleireiro de Pelé também conquistou números supreendentes com o rei. Em 2015, Didi fez seu milésimo corte de cabelo no jogador, completando um marco em sua carreira. “O Pelé cortava o cabelo comigo pelo menos duas vezes por mês. Toda vez que ele vinha era uma loucura, a rua ficava cheia de fãs, crianças e adultos, que queriam ver o Rei sendo atendido por mim”, revelou Didi para matéria do UOL.

O segredo do topete

Assim como é comum nas barbearias, Didi guardava seus segredos para manter o corte de Pelé sempre em sua melhor versão. Mas não era só o conhecimento técnico que garantia a fidelidade de seu cliente especial. “Além da manutenção do topete, ele gostava de receber a massagem que eu fazia no rosto antes de fazer a barba dele”, conta para UOL.

Além disso, o atleta pedia que se mantivesse em sigilo o produto usado em seu cabelo, recorda o cabeleireiro de Pelé. “Era quina de petróleo, um produto que hidratava e dava brilho”, revela.

Um cabeleireiro como outros

Apesar de ter participado de inúmeras matérias e reportagens para jornais impressos e TV, Didi mantém o mesmo salão nas proximidades do estádio do Santos, na Vila Belmiro. Lá, seus desafios e conquistas se assemelham às de outros cabeleireiros que não tem celebridades como clientes. Um dos momentos compartilhados com outros profissionais foram as dificuldades vividas em 2020. “A pandemia quebrou a gente. Hoje se consigo atender seis clientes por semana é muito. Tem dias que não entra ninguém aqui”, relatou o profissional para UOL, em meio aos meses mais difíceis.

O cabeleireiro do rei conta que não investe em tecnologias, não tem telefone no salão e nem perfil em redes sociais. Mas, ainda que não tenha acompanhado as transformações do mercado de beleza, vislumbra um futuro de dedicação. “Ainda tenho muita lenha para queimar, pretendo trabalhar até o fim dos meus dias. Que nem o Pelé, que mesmo já doente mandava o motorista me buscar para eu ir lá cortar o cabelo dele. Não quero parar.”, reflete.