Profissionais de Beleza

Biosegurança para manicures: entenda e confira algumas dicas

A biossegurança para manicures tem se tornado um tema cada vez mais discutido na área de beleza e, além de envolver questões obrigatórias no desempenho do serviço, também tem se mostrado um diferencial.

biossegurança para manicures
Por Redação em 7 de maio de 2021

A biossegurança tem se tornado um tema cada vez mais discutido na área de beleza e, além de envolver questões obrigatórias no desempenho do serviço, também tem se mostrado um diferencial. A prática pode ser aplicada em diversas áreas e alcança, também, o trabalho com unhas. Nesse sentido, a biossegurança para manicures ganha importância, levando milhares de trabalhadores a procurarem cursos, palestras e conteúdos, no intuito de profissionalizar suas atuações. Entenda o que são ações de biossegurança para manicures e como elas podem transformar seu trabalho.

O que é biossegurança?

De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), a biossegurança é a “condição de segurança alcançada por um conjunto de ações destinadas a prevenir, controlar, reduzir ou eliminar riscos inerentes às atividades que possam comprometer a saúde humana, animal e o meio ambiente”. São ações que devem ser utilizadas todos os dias, visando a proteção da saúde tanto pela prevenção ou controle, quanto pela redução ou erradicação de agentes maléficos.

O trabalho realizado por manicures pode parecer simples e seguro à primeira vista. No entanto, assim como ocorre em qualquer outro serviço, esse é um campo que oferece alguns riscos e é preciso atenção aos possíveis danos que possam vir a ocorrer. Pensando nisso, a adoção de condutas de biossegurança para manicures se torna indispensável para a saúde, higiene e proteção de quem atua e usufrui desse setor.

Vivian Peron, Educadora Internacional de Manicures e Nails Design e especialista em biossegurança,  explica que o investimento na área reflete diretamente no negócio. “A biossegurança na estética é extremamente importante porque durante os procedimentos, tanto o cliente quanto o esteticista ficam expostos à patógenos causadores de doenças”.

A educadora informa que biossegurança é tudo o que fazemos para promover segurança e bem estar para com a nossa vida e a do próximo. “Está na forma como nos vestimos para trabalhar, na higiene do ambiente, dos móveis e equipamentos, na esterilização correta dos instrumentais, na utilização dos E.P.Is de forma correta e segura. Também está na observação da data de validade dos produtos, esmaltes, no conforto e bem estar, desde a hora que a cliente chega, até a hora que ela vai embora. O ambiente de atendimento deve estar seguro para que não haja contaminação por vírus, bactérias e infecções”.

Biossegurança para manicures

Biossegurança para manicures - EPIs

Segundo estudo, uma em cada 10 manicures tem hepatite.

Daniela Pontes, autora do curso Biossegurança Descomplicada  e Curadora Técnica da Beuaty Fair, aponta alguns riscos específicos para a área. “Quando pensamos em manicures, levantamos os riscos biológicos por via aérea, como o próprio vírus do Covid-19 ou da tuberculose, além do contato frequente com outros  microrganismos como o vírus da hepatite ou HIV, devido ao trato com sangue. As onicomicoses, infecções nas unhas causada por fungos, também devem ser prevenidas”.

A especialista esclarece que a profissional de unhas desprotegida pode se contaminar e ainda prejudicar clientes. “Ela deve usar os E.P.Is. Se  você não usa máscara, corre o risco de pegar Covid-19. Se não usa luva, pode pegar outra doença. Tem um estudo da Dra. Andreia Schunck que mostra que uma em cada 10 manicures em São Paulo tem hepatite. É um dado bem assustador”, alerta Daniela.

Daniela indica que outro risco comum para manicures é o ergonômico. “A manicure fica muito sentada, faz movimentos repetitivos, fica curvada, isso causa lesões nos punhos, na coluna, o que agrava doenças pré-existentes ou leva a desenvolver uma doença por conta da ocupação. Por isso, é importante manter uma boa alimentação para que o peso não influencie no agravamento dos casos, levantar algumas vezes durante o trabalho, fazer atividade física para ajudar na circulação e realizar alongamento frequentemente”.

Impactos na marca pessoal e no negócio

Muitos profissionais e salões têm usado o assunto como diferencial competitivo. Isso porque ainda existe uma grande carência no assunto, o que induz  clientes a confiar mais nas manicures que revelam publicamente seus cuidados e comprovam que essa é uma preocupação diária. 

Vivian argumenta que a biossegurança para manicures é uma responsabilidade que impacta diretamente na marca pessoal da profissional e no negócio como um todo. “Hoje lidamos com uma pandemia mundial, mas muito antes disso, a biossegurança já se fazia presente. Somos responsáveis por cuidar da saúde das mãos e pés de nossos clientes. Por conta disso, precisamos trabalhar dentro das normas de biossegurança, que é fundamental”.

Daniela, por sua vez, explica que os cuidados devem ser especialmente trabalhados na área. “A biossegurança é importante para qualquer profissional de beleza , mas para a manicure, um trabalho que envolve sangue, o cuidado deve ser ainda maior”.

Erros comuns

Daniela alega que um dos principais problemas enfrentados é a baixa  conscientização sobre o assunto, o que prejudica a saúde do profissional e do cliente. “A hepatite, por exemplo, por ser uma doença silenciosa, quando o paciente descobre, já pode estar num grau avançado, podendo até mesmo desenvolver um câncer. Com a biossegurança para manicures, prevenimos isso”.

Biossegurança para manicures - Autoclave

Autoclave: único aparelho seguro para esterelização

Ela também alerta para um erro comum na área. “É importante lembrar que a panela de pressão não esteriliza utensílios, apesar de haver muitos vídeos sobre o assunto no Youtube. A única forma de esterilizar é a autoclave. As estufas já estão sendo proibidas em vários estados, já que, se você interromper o ciclo dela, já não consegue garantir a eficiência”. 

Dicas de segurança para manicures

  • Utilize os E.P.I.s: touca, luva, máscara e avental durante os atendimentos
  • Atente para a máscara, que deve ir para além do período de pandemia
  • Faça sempre a esterilização correta dos seus instrumentos de trabalho, assim você evita a propagação de doenças.
  • Higienize seu espaço sempre e em todo lugar.
  • Deixe o álcool em gel à disposição de todos que estão em seu salão de beleza, e não permita o cliente ser atendido sem máscara.
  • Tome a vacina contra a Hepatite
  • Descarte os lixos corretamente, entre descartáveis, químicos e infectocontagiosos.

Quer receber mais dicas para empreendedores de beleza? Torne-se membro da lista privativa de profissionais de beleza da Beauty Fair. Clique aqui e cadastre-se!